Menu fechado

Tales de Mileto

Tales de Mileto

Tales de Mileto: Alguns estudiosos dividem a filosofia grega em dois grandes grupos, os pré-socráticos e os pós-socráticos. Tales de Mileto está classificado no primeiro grupo. Ele é um dos nomes mais tradicionais da cultura grega clássica, e muitos o rotulam de ser um dos sete mais sábios que naquele período viveram. Tales de Mileto influenciou muitos filósofos que seriam posteriores a ele. E durante muito tempo ocupou-se em buscar um elemento fundamental para tudo.

Tales de Mileto é um dos filósofos que mais cedo é apresentado aos estudantes, mais por suas contribuições geométricas que por sua filosofia em si.

Tales de Mileto foi quem fundou a Escola Jônica, que durante um longo período foi considerada um dos núcleos intelectuais filosóficos da grécia antiga. Muitos de seus discípulos não concordavam com suas teorias, entretanto era quase um consenso de que havia um elemento primordial que daria origem a tudo. No século XXI inúmeras pessoas creem ser desnecessário tentar compreender teorias tão antigas, como as de Tales de Mileto, sendo que temos modernas. Mas é importante reforçar que John Dalton propôs o átomo como sendo uma unidade básica de matéria capaz de formar os elementos. Seu modelo é didático para muitos fins, e seu pensamento, em essência, não difere muito da ideia de existir um princípio comum para as coisas. Muitos cientista podem usar antigas teorias para nortear seus estudos, por isso é fundamental conhecê-las.

A biografia de Tales de Mileto

A biografia de Tales de Mileto tem como origem cronológica um “orbital”, pois não se sabe precisamente a data, localizado entre os anos de 624 e 623 antes de Cristo. Em seu nome, ele carrega a cidade da qual foi oriundo, Mileto. Que atualmente compõem o território turco. Existem incertezas que rodeiam seus ofícios, se ele chegou a ser mercador em algum momento. Porém, do que se há certeza em a biografia de Tales de Mileto é que ele foi capaz de realizar diversas viagens, e acumulou diversos conhecimento ao longo delas.

Segundo a biografia de Tales de Mileto, foi em uma de suas viagens à Babilônia que ele teve contato com a astrologia, pôde aprender a manusear instrumentos para o estudo dela, e acredita-se que isso resultou na primeira teoria de explicação do fenômeno natural, eclipse solar. Segundo a biografia de Tales de Mileto. Também há quem defenda que ele foi capaz de prever um eclipse solar por volta de 585 antes de Cristo, com a tecnologia de hoje, realmente é possível conferir que houve um eclipse por volta desse período. Também é atribuído a ele o fatiamento de um ano em 365 unidade menores, chamadas de dias.

A história de Tales de Mileto

A história de Tales de Mileto conta que em suas viagens ele também teve uma passagem pelo Egito, lá ele teve um contato mais próximo com a matemática, que hoje é considerada a área do conhecimento que o filósofo teve suas melhores contribuições. Uma dessas contribuições foi a demonstração de que os ângulos da base de um triângulo isósceles são côngruos, de acordo com o que diz a história de Tales de Mileto.

Onde Tales de Mileto nasceu?

Como o proprio nome já indica, Tales nasceu em Mileto, que compõem a Ásia menor.

Onde Tales de Mileto estudou?

Não se sabe ao certo os locais onde Tales de Mileto estudou, mas muitas de suas viagens foram feitas com essa finalidade.

Onde Tales de Mileto viveu?

Acredita-se que Tales de Mileto tenha passado a maior parte de sua vida tanto dentro dos domínios da região Jônica.

A história de Tales de Mileto deixa a entender que o filósofo teve atuação política em sua cidade natal. E seus dois principais discípulos na escola Jônica foram os também filósofos, Anaximandro e Anaxímenes, de acordo com a história de Tales de Mileto. Uma curiosidade é que este último defendia a ideia de que a terra é plana, e que ela estaria a flutuar.

Tales de mileto e o arché

Arché nada mais é do que um termo empregado para o estudo, debate sobre a origem, a existência a essência de tudo o que existe. O termo é bem amplo, e é importante ressaltar que algumas dessas teorias no período clássico se misturam com o místico, o divino para poder ter alguma explicação. Mas para Tales, o arché era a água. E embora não existisse um rigor como o de Descartes ou Comte, ele concluiu isso através de muitas observações e estudo, em hipótese alguma o arché de Tales poderia ser considerado um palpite ou algo do gênero.

Teoria de Tales de Mileto

De forma geral, a teoria de Tales de Mileto era de que todas as coisas existentes possuem algum elemento fundamental. Esse elemento seria a origem de tudo. E ele chegou a essa conclusão após fazer várias observações, que que diversos elementos se transformavam, logo deveriam ter algo em comum para que essa transformação ocorresse. A teoria de Tales de Mileto rejeitava a idéia de que os elementos da natureza seriam entidades, e ela os estudava a fim de compreender tanto os elementos naturais como os fenômenos naturais.

Após muitas muitas observações, a teoria de Tales de Mileto apontava que o elemento fundamental, o precursor de tudo seria a água. Os animais se moviam, e possuíam água e sua constituição, as plantas cresciam, e nelas também há água. Já os minerais não se moviam, não cresciam e não havia água neles, uma pedra não se transformava. E tudo que morre, acaba por secar, por perder sua umidade. Logo, a teoria de Tales de Mileto era de que tal elemento fundamental só poderia ser a água.

As obras de Tales de Mileto

Entre as obras de Tales de Mileto, as mais famosas são seus teoremas matemáticos. inclusive, um dele leva o seu nome. O teorema de de Tales: o teorema estabelece uma relação métrica em segmentos de retas distintos que são transversais a um feixe de retas paralelas. Um dos principais teoremas da geometria plana, para a compreensão deste teorema é necessário que o indivíduo tenha noção de paralelismo na geometria euclidiana. As obras de Tales de Mileto voltadas a matemática vão além do paralelismo.

A demonstração de que os ângulos da base de um triângulo isósceles são iguais também está contida entre as obras de Tales de Mileto. A demonstração de que o diâmetro de qualquer circunferência a divide em duas partes iguais também é de sua autoria. As demonstrações visuais eram amplamente usadas em demonstrações geométricas, e elas ajudavam a elaboras as obras de Tales de Mileto.

As frases de Tales de Mileto

É difícil confirmar se as frases atribuídas a Tales realmente pertencem a ele, até por que muitos dos conhecimentos da grécia antiga eram passados via oral. Por exemplo, a frase “Tudo é água” reflete a ideia de sua teoria filosófica, mas não se sabe se ele realmente falou isso, desta forma, ou se a sentença foi atribuída a ele. Já a frase, “Muitas palavras não indicam necessariamente muita sabedoria.” é atribuída a Tales com muito mais propriedade que a anterior, e sua mensagem é bem clara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *