Menu fechado

Tarsila do Amaral

tarsila do amaral

Tarsila do Amaral: Nascida no interior Paulista, Tarsila de Aguiar do Amaral, ou simplesmente Tarsila do Amaral, foi uma fantástica artista brasileira. A criadora de Abaporu teve sua vida que fugiu, e muito, do padrão da vida das mulheres na época. Tarsila do Amaral teve sete irmãos e acessão a educação, essa que pode ser considerada da melhor qualidade na época, pois era neta de fazendeiro e com a fortuna que provinha de seu avô paterno ela pode ser alfabetizada, ter contato com a arte e até mesmo sair do país, em direção ao velho continente, para poder lapidar seus estudos e aperfeiçoar sua arte.

Tarsila do Amaral teve algumas fases artísticas, das quais as principais são Pau-Brasil, Fase dita social e Antropofagia, nesta que a artista desenvolveu sua obra-prima o Abaporu.

Tarsila do Amaral, pelo menos até a crise da bolsa de Nova York em 1929, possuía uma fazenda, herdada de seu falecido avô. Ela passou por diversos casamentos, sua vida amorosa cheia de altos e baixos é o que mais fugia do padrão da época, visto que o divórcio não era algo bem-visto, ela divorciou-se algumas vezes, sendo que do primeiro casamento a ela foi concedida sua filha única, Dulce. Tarsila do Amaral cuidou de sua filha e após seu primeiro divórcio teve contato mais frequente com a pintura e bebeu da fonte da arte estrangeira com seus mestres e suas viagens ao continente Europeu.

A biografia de Tarsila do Amaral

A biografia de Tarsila do Amaral, diferentemente de Brás Cubas, começa pelo seu nascimento na pequena e pacata cidade de Capivari, localizada no oeste da capital paulista, no primeiro dia do mês de Setembro do ano de 1886. Filha do casal José E. do Amaral Filho e Lídia D. de Aguiar ela teve uma infância de padrão relativamente alto, em razão do suporte que era proporcionado pelo afortunado avô paterno José Estanislau, fazendeiro. A biografia de Tarsila do Amaral conta que o casal teve mais sete filhos, totalizando 8 filhos. Tarsila foi a segunda criança a nascer.

Seguindo os gostos da época, a biografia de Tarsila do Amaral conta que ela foi alfabetizada ainda jovem, por uma mestra belga que também a ensinou a falar em francês e a bordar. Posteriormente ela foi estudar fora de casa num colégio ministrado por freiras. Porém, visando proporcionar a melhor educação possível à jovem, seus pais resolveram a enviar para Espanha, sonho de muitos hoje, a fim de completar seus estudos. De acordo com a biografia de Tarsila do Amaral, foi na capital catalã, Barcelona, que a artista foi introduzida a pintura. Forma de arte que a acompanharia até o final de sua vida.

A história de Tarsila do Amaral

A história de Tarsila do Amaral continua com o seu retorno do continente europeu. Na primeira década do século XX, ela se casou com André Pinto, a união resultou no nascimento de Dulce, a única filha da artista, porém a vida do casal era repleto de atritos que desgastaram a relação. O principal estopim para os atritos era a oposição do marido em relação ao desenvolvimento de Tarsila como artista. Bem conservador aos costumes da época, o marido desejava que a artista limitasse-se a vida doméstica, enquanto Tarsila queria desenvolver sua arte. Não chegando a um acordo, o relacionamento chegou ao fim. Oportunamente, como conta a história de Tarsila do Amaral, ela começo a dedicar-se a arte. Teve mais contato com a pintura, e viajou a Paris, Cidade Luz e capital francesa, para estudar e desenvolver suas técnicas artísticas.

Após sua segunda passagem pelo velho continente, a história de Tarsila do Amaral conta que ela foi apresentada a Oswald de Andrade, o irreverente escritor modernista brasileiro e um dos mentores da semana de arte moderna de 1922 em São Paulo. Um ano após a semana de arte moderna, Tarsila e Oswald fizeram um tour, uma excursão pela Europa. Onde passaram a ter contato com a vertente modernista do cubismo. Conheceram outros artistas de renome e trouxeram novidades artísticas para o Brasil. Posteriormente ela casa-se e divorcia-se do escritor. Em 1929, a história de Tarsila do Amaral conta que a artista começou a enfrentar seus primeiros problemas financeiros, tudo por causa da quebra da bolsa em Nova York, que afetou os negócios de sua família. Coincidentemente, foi o mesmo ano em que ela teve suas obras expostas no Rio de Janeiro. No ano seguinte, foi condecorada com um cargo na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Entretanto, durante a ditadura Vargas, ela foi exonerada de seu cargo.

Dando seguimento a história de Tarsila do Amaral. Com a exposição de suas obras em território nacional, ela conseguiu concretizar vendas e por conseguinte guardar dinheiro para conseguir viajar a União Soviética com seu terceiro marido, Osório César. Essa viagem foi de suma importância para a mudança de estilo nas pinturas de Tarsila, que passaram a abordar temas mais sociais, como conta a história de Tarsila do Amaral. Ao longo da década de trinta, ela novamente inicia o processo de divórcio e posteriormente casa-se com Luís Martins. Na década de 40 ela tem suas obras na Bienal de São Paulo. Em 1963 ela participa da Bienal de Veneza, na Itália. Dois anos depois ela fica paraplégica em decorrência de um erro médico ocorrido em sua cirurgia de coluna. Ela torna-se adepta de vertentes espíritas e torna-se amiga íntima de Chico Xavier. Na década de setenta ela veio a falecer, durante o regime militar brasileiro.

Onde Tarsila do Amaral nasceu?

A famosa artista brasileira é proveniente da cidade de Capivari, região oeste do Estado de São Paulo, que na época tinha como principal recurso econômico a produção de açúcar e café. Seu avô era um grande fazendeiro da cidade, e ela passou uma parcela de sua infância morando nas fazendas de seu avô paterno.

O que Tarsila do Amaral fez?

Tarsila foi uma das artistas Brasileiras mais importantes, contribuiu para a identidade da arte brasileira, estudava as vanguardas europeias e as “traduzia” para o Brasil. Também abordava temas de cunho social em suas obras.

O que Tarsila do Amaral pintava?

Ela pintava quadros com um estilo próprio, que derivou do modernismo, com influências de um de seus maridos e amigos modernistas, e com traços de cubismo, vertente que teve contato na Europa. Seus quadros possuem cores vivas e vibrantes de modo geral.

Como Tarsila do Amaral morreu

Os últimos anos de Tarsila do Amaral não foram fáceis, após tornar-se paralítica devido a um erro de procedimento médico em sua cirurgia de coluna, ela perdeu sua única filha, que faleceu devido a problemas com a doença silenciosa, a diabetes. Ele continuava a vender suas obras, e parte do dinheiro era doado, pois ela já era adepta do espiritismo pregado por seu amigo Chico Xavier. A artista foi diagnosticada com depressão, e acabou internada no tradicional hospital Beneficência Portuguesa, localizado no centro de São Paulo, lá ela passou seus últimos dias e faleceu por causas naturais, segundo o diagnóstico da época, no dia 17 (dezessete) no primeiro mês do ano de 1973. Ela foi enterrada no cemitério da Consolação também no centro da capital paulista. Como último desejo, foi enterrada com um vestido branco.

Características de Tarsila do Amaral

É impossível dissociar o modernismo das características de Tarsila do Amaral. Foi o movimento modernista que a deixou famosa. Ela teve muitas influências de artistas modernistas, como seu segundo marido Oswald de Andrade, idealizador da semana de arte moderna de São Paulo. Dentre as características de Tarsila do Amaral está o uso de cores caipiras, que até então não eram muito bem aceitas por acadêmicos voltados a arte. Sua segunda passagem pela Europa contribuí para a adesão de parte de estilo cubista em sua arte, porém sempre com sua personalidade nas obras.

As características de Tarsila do Amaral são visíveis nas três grandes fases de sua carreira. A fase Pau-Brasil, que foi a responsável em retratar o Brasil. Ela foi capaz de traduzir o Brasil rural em seus quadros, assim como com o Brasil urbano. Traços cubistas são perceptíveis nessa fase cujo as paisagens brasileiras obtêm o principal foco. Já a fase antropofágica, a segunda, tinha como foco a elementos místicos da cultura brasileira. Essa fase visava “deglutir” as influências culturais europeias e a partir dai gerar uma arte exclusivamente brasileira. A última grande fase, a social, surgiu após a sua viagem a URSS, e tem o foco em problemas sociais, os abusos sofridos pelas classes operárias e as desigualdades. As características de Tarsila do Amaral podem ser encontradas nessas três fases, todas possuem traços do cubismo e modernismo, sempre estando fora do padrão e usando bastante cores vivas.

As obras de Tarsila do Amaral

As obras de Tarsila do Amaral foram muitas e em vários momentos. Como representante do momento Pau-Brasil um quadro que representa bem a classe é “A feira” de 1924, em que ela representa, literalmente, uma feira brasileira. Onde é possível reconhecer frutas nativas como o caju e o abacaxi. Também é possível ver animais na feira. Dentre as obras de Tarsila do Amaral no período social, um quadro de destaque é “Operários”. Considerada sua segunda obra mais importante ela retrata a realidade de operários em fábricas e usinas.

Entre todas as obras de Tarsila do Amaral, a que merece maior destaque sem sobras de dúvidas é o “Abaporu” que significa. O quadro foi o marco de início da fase Antropofágica nas artes plásticas do Brasil. O quadro foi feito de presente para o seu marido na época, Oswald de Andrade. O nome tem origem indígena e tem significa “O homem que come homem”, nessa fase, a ideia era beber da fonte de artes estrangeiras e a partir do conteúdo consumido, começar a fazer arte brasileira, com características próprias. As obras de Tarsila do Amaral são muitas, mas certamente o Abaporu é a mais valiosa, com valor estimado em cerca de 40 (quarenta) milhões de dólares ele se encontra no MALBA, em Buenos Aires, capital da Argentina.

Como Tarsila do Amaral ficou famosa?

Tarsila do Amaral começo a criar suas obras de maior relevância no inicio da década de 20 no Brasil. Embora ela tivesse um relacionamento com um dos mentores da semana de arte moderna de 22, ela não ficou famosa naquele ano. Sua fama começou a tomar corpo no ano de 1929. Justamente o ano que começaram seus problemas financeiros. Neste ano ela teve sua primeira exposição de arte na cidade do Rio de Janeiro, a essa altura, suas obras já tinham bastante influência de arte europeia, ela acabava de voltar do velho continente. Posteriormente ela participaria de bienais de arte nacionais e internacionais. E hoje ela é reconhecida como artista no mundo todo. Tanto que sua obra-prima não se encontra num museu nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *